SEARA DA CIÊNCIA
OS RAIOS-X

O escocês James Clerk Maxwell, em meados do século passado, previu a existência e a natureza das ondas eletromagnéticas, que incluem até a luz que vemos todo o dia. Em 1887, o alemão Heinrich Hertz produziu as primeiras ondas eletromagnéticas artificiais (ondas de rádio), usando dicas de Hermann Helmoltz. Entre outras coisas, Helmoltz sugeriu que uma radiação eletromagnética de alta frequência deveria interagir fracamente com a matéria e, portanto, ser muito penetrante. Helmoltz até indicou o equipamento adequado para produzir essas ondas penetrantes: a "ampola de Crookes", onde residiam os festejados e misteriosos "raios catódicos".
Muita gente na Europa começou a procurar esse tipo de radiação. Entre eles, o maior especialista em raios catódicos da Alemanha, Philipp Lenard. Mas, quem chegou primeiro foi Wilhelm Conrad Roentgen, em 8 de novembro de 1895. Foi ele quem descobriu e batizou os raios-X, além de fazer a primeira radiografia da história.


Wilhelm Roentgen
Nas seções listadas abaixo, contaremos um pouco da história dessa descoberta. Falaremos também do uso moderno dos raios-X na medicina e na pesquisa dos materiais, mencionando outras figuras importantes como Max von Laue e os Bragg, pai e filho.

A ampola de Crookes e os misteriosos raios catódicos.
Como Roentgen descobriu os raios-X.
Philipp Lenard, um físico mau-caráter.
Algumas aplicações modernas dos raios-X na medicina.
Interferência construtiva e destrutiva.
Von Laue, os Bragg e a difração dos raios-X.